Feeds:
Posts
Comentários

 As organizações, instituições, entidades e profissionais ligados à preservação audiovisual (ABPA), reunidos em Assembléia durante o 5º Encontro Nacional de Arquivos e Audiovisuais Brasileiros, evento associado à 5º Mostra de Cinema de Ouro Preto – CineOP ratificam os compromissos assumidos na carta de Ouro Preto de 2009, na Ata de Fundação e na proposta complementar para elaboração do Estatuto da ABPA. Durante as 3 (três) reuniões promovidas pelo Encontro foram temas e ações:

1. Relatar e analisar as ações empreendidas desde a Fundação da ABPA;

2. Debater e propor direcionamentos para a ABPA;

3. Avaliar parâmetros anteriormente discutidos;

4. Apresentar e discutir pauta de sugestões para a continuidade das ações da ABPA;

5. Considerar a especificidade da Associação em face das Instituições e profissionais, equacionar essa condição sob a luz de uma assessoria jurídica e elaborar uma proposta de Estatuto que deverá ser apresenta aos membros da ABPA;

6. Eleger nova Comissão Executiva para o exercício 2010/2011, e caberá aos membros eleitos eleger seu (sua) coordenador(a) conforme deliberação em Assembléia.

Por voto direto, na plenária da Terceira Reunião de Trabalho das Entidades de Preservação Audiovisual Brasileiras, foram eleitos membros da Comissão Executiva:

Fernanda Elisa Costa (PUC-GO)

Glênio Nicola Póvoas (Cinegráfica Leopoldis-Som)

João de Lima Gomes (UFPB)

José Luiz de Araujo Quental (MAM-RJ)

Marília da Silva Franco (USP/CPCB)

Solange Straube Stecz (Cinemateca Curitiba)

Teder Muniz Moras (Fundação Padre Anchieta – TV CULTURA)

A Comissão Executiva fica encarregada de coordenar e elaborar propostas, definir metas e prazos para o funcionamento da ABPA, devendo apresentar os relatórios mensais de suas atividades.

Por aclamação, em plenária, a manutenção do nome de Natália de Castro Soares (técnica do CTAv – RJ), como gestora da lista da ABPA.

Ouro Preto, 21 Jun 2010.

Publicidade

 

Os integrantes da Associação Brasileira de Preservação Audiovisual (ABPA) e os participantes do 5º Encontro Nacional de Arquivos Audiovisuais, reunidos na 5ª Mostra de Cinema de Ouro Preto, reafirmam este evento como fórum privilegiado de discussão e encaminhamento de reflexões para a preservação do Patrimônio Audiovisual Brasileiro.

Considerando:

Os avanços dos trabalhos desenvolvidos no exercício 2009/2010, que deram início ao processo de institucionalização da ABPA;

Que se mantêm a necessidade de reconhecimento do Patrimônio Audiovisual Brasileiro como instrumento estratégico do desenvolvimento da sociedade brasileira;

A existência de um serio risco de desaparecimento desse patrimônio e o desequilíbrio na distribuição dos investimentos;

A importância da participação das televisões brasileiras na preservação e difusão do conteúdo audiovisual;

A necessidade da formação e capacitação dos profissionais da área do audiovisual quanto à salvaguarda deste patrimônio;

Os desafios impostos pelas novas tecnologias;

Reafirmam seu compromisso em:

Dar continuidade aos debates de construção do instrumento regulatório denominado Estatuto da ABPA;

Promover a valorização, o aperfeiçoamento e a difusão do trabalho de preservação audiovisual;

Cooperar com órgãos governamentais, entidades nacionais e internacionais, públicas e privadas estabelecendo e mantendo intercâmbios de conhecimento e experiências relacionadas ao setor;

Estimular as ações que visem à salvaguarda do patrimônio audiovisual;

Reiteram seu compromisso em aprofundar as questões relativas ao campo da preservação audiovisual no Brasil e caminhar para a consolidação de seu estatuto.

Comissão Executiva ABPA exercício 2010/2011:

Fernanda Elisa Costa (PUC-GO)

Glênio Nicola Póvoas (Cinegráfica Leopoldis-Som)

João de Lima Gomes (UFPB)

José Luiz de Araujo Quental (MAM-RJ)

Marília da Silva Franco (USP/CPCB)

Solange Straube Stecz (Cinemateca Curitiba)

Teder Muniz Moras (Fundação Padre Anchieta – TV CULTURA)

Ouro Preto, MG, 21 de junho de 2010.

A CineOP – Mostra de Cinema de Ouro Preto é um instrumento de desenvolvimento da preservação, da história e da identidade cultural brasileira. Agrega valor de patrimônio à sétima arte e contribui para a construção do Plano Nacional de Preservação.

Pelo quinto ano consecutivo planeja e realiza o ENCONTRO NACIONAL DE ARQUIVOS E ACERVOS AUDIOVISUAIS BRASILEIROS, que nesta edição, acontece entre os dias 18 e 21 de junho de 2010, em Ouro Preto, como parte integrante da programação do evento”.

Acesse a programação do Encontro Nacional de Arquivos e Acervos Audiovisuais Brasileiros em:

http://www.cineop.com.br/seminarios.php?menu=prog&sub=sem

 

de 15/6/2010, dedica três páginas aos 80 anos da Cinédia.

A matéria alerta para a “Memória em Risco” e se intitula O cinema luta contra o tempo,  assinada pelo jornalista Daniel Schenker.

O texto conta com os depoimentos de Hernani Heffner (Conservador-Chefe da Cinemateca do MAM), Rafael de Luna (Coordenador da Comissão Executiva da ABPA) e Alice Gonzaga (Pesquisadora do ramo cinematográfico e filha de Adhemar Gonzaga, fundador da Cinédia). 

Joias da Cinédia

 Clique na foto e acesse a capa da matéria:

  

A Comissão Executiva da ABPA participa do XIII Fenart ­- Festival Nacional de Arte – ­, em João Pessoa, a convite do Prof. João de Lima (membro da Comissão Executiva e professor da UFPB).   No dia 24/5, o Coordenador da CE, Prof. Rafael de Luna proferiu a palestra “Preservação Audiovisual no Brasil e no mundo: balanço e perspectivas futuras”

No dia 25/5, os membros da CE e a Coordenadora Geral de Documentação e de Estudos da História Brasileira da Fundação Joaquim Nabuco, e membro da ABPA, Albertina Malta, debaterão o tema “Memória e Preservação Audiovisual”.

Por unanimidade, plenária final da II CNC aprova propostas setoriais

A primeira conquista da plenária final da II Conferência Nacional de Cultura, iniciada às 11h de domingo, foi a aprovação por unanimidade das propostas setoriais vindas das pré-conferências. As sugestões contemplam as áreas de Arquitetura, Arquivos, Arte Digital, Artes Visuais, Artesanato, Audiovisual, Circo, Cultura Afro-brasileira, Culturas Indígenas, Culturas Populares, Dança, Design, Livro, Leitura e Literatura, Moda, Museus, Música, Teatro, Patrimônio Material e Imaterial.

Representantes dos colegiados setoriais junto ao Conselho Nacional de Política Cultural (CNPC) defenderam a necessidade da aprovação como complementação às propostas apresentadas pelos estados e municípios nas etapas regionais e miniplenárias. “Isso possibilitará que tenhamos um plano consistente, que priorize todas as linguagens da nossa cultura”, disse Maurício Fonseca, do colegiado de culturas indígenas.

Compõem a mesa da plenária final a secretária de articulação institucional do MinC, Silvana Meirelles, o coordenador da II CNC, João Ribeiro, os membros do CNPC César Piva e Geraldo Moraes, além de representantes da sociedade civil. As próximas etapas serão a apresentação, defesa e votação das 80 propostas priorizadas pelas miniplenárias referentes aos cinco eixos temáticos da II CNC.”

# Grifos em vermelho são marcações feitas pelo Blog da ABPA.

Durante a II CNC, realizada em Brasília, de 11 a 14/3/2010, a Plenária Final aprovou 31 das 38 moções que serão encaminhadas e que serão incluídas nos anais.

Moção 10 (Aprovada)
Nós  delegados  da  II Conferência Nacional  de Cultura,  reunidos  em Brasília no período de 11 a 14 de março de 2010, apontamos para a necessidade da Secretaria  do  audiovisual-SAV/MINC  garantir  o assento  pleno  e  permanente  de  representante  da  sociedade  civil organizada  que  atue  no  campo  da  preservação  audiovisual  no conselho consultivo da SAV- MINC.
Total de assinaturas: 196″ 

A relação das Moções: http://blogs.cultura.gov.br/cnc/files/2010/03/31mocoesaprovadas.pdf

Caros e caras delegados e delegadas, convidados e convidadas, observadores  e observadoras,

A Secretaria do Audiovisual gostaria de agradecer a participação de todos na Pré-Conferência Setorial do Audiovisual!

Seguem, abaixo, as listas de propostas prioritárias e complementares escolhidas nos cinco grupos de trabalho, assim como a lista de delegados eleitos como representantes das macro-regiões para a  II Conferência Nacional de Cultura (CNC) , a ser realizada em março.

Ressaltamos que, conforme determinado pelo Conselho Nacional de Política Cultural (CNPC), a lista oficial de delegados eleitos como representantes do audiovisual perante o CNPC  será publicada no início da semana que vem no sítio eletrônico do referido Conselho.

A seguir seguem os links para os documentos mencionados acima:”

Propostas GTs Prioritárias

Propostas GTs Complementares

Delegados eleitos para a II CNC

Participantes da Pré-conferência aprovam as cinco propostas que serão encaminhadas à II CNC

Cinco propostas, dentre as mais de 160 apresentadas, foram aprovadas nesta quinta-feira, 25 de fevereiro, durante o último dia dos debates do setor Audiovisual, realizados em Brasília.

Participaram do encontro, pelo Ministério da Cultura, o secretário do Audiovisual, Silvio Da-Rin, o presidente da Agência Nacional do Cinema, Manoel Rangel, e o coordenador da Pré-conferência Setorial do Audiovisual, James Görgen.

As proposições serão encaminhadas à II Conferência Nacional de Cultura, a ser realizada de 11 a 14 de março, também na capital federal, sob o tema Cultura, Diversidade, Cidadania e Desenvolvimento. Outras 90 serão encaminhadas pelas demais 18 Pré-conferências dos diversos segmentos culturais.

Confira abaixo as propostas do setor Audiovisual:

Eixo I – Produção Simbólica e Diversidade Cultural

A ideia é estabelecer ações que viabilizem a parceria entre a produção independente e regional do audiovisual brasileiro, e a televisão aberta, pública e privada, e a TV por assinatura. Segundo Gustavo Dahl, diretor do Centro Técnico do Audiovisual (CTAv), a proposta também prevê o cumprimento ao Artigo 221 da Constituição Federal, que diz que a televisão aberta deve respeitar patamares mínimos de 30% de conteúdos regionais e de produções independentes. “O combate da produção simbólica, se dá no universo midiático, e nele a presença mais emergente é na TV aberta ou fechada”, disse.

Eixo II – Cultura, Cidade e Cidadania

Para Ronaldo dos Anjos, membro da Comissão Executiva da Associação Brasileira de Preservação Audiovisual (ABPA), a palavra-chave da proposta é preservação. “Não adianta produzir, se não preservar. É preciso ter cuidado com a nossa memória, já perdemos muito. A memória é a vida e a identidade da história do Brasil”. A proposta prevê a implementação e consolidação de políticas públicas para o campo da preservação audiovisual de modo a criar e modernizar cinematecas estaduais e municipais, polos de restauração audiovisuais regionais e fortalecer instituições públicas.

Eixo III – Cultura e Desenvolvimento Sustentável

“Para que a cadeia do audiovisual possa ter sustentabilidade é preciso ampliar o mercado do setor e descentralizar, não só a produção, como também a exibição”, afirmou o assessor da diretoria da Agência Nacional de Cinema (Ancine), Felipe Maia Guimarães. A proposta objetiva ampliar as redes de distribuição e acesso, mediante a expansão, descentralização e a diversificação do parque exibidor nacional, por meio de programas de construção, implantação, modernização e digitalização de salas de exibição em direção a pequenas e médias cidades e periferia das grandes cidades com baixa concentração de salas de cinema.

Eixo IV – Cultura e Economia Criativa

Segundo João Batista Pimentel, secretário-geral do Conselho Nacional de Cineclubes (CNC), a proposta se refere ao desenvolvimento sustentável e econômico voltado a formação de conteúdos audiovisuais por meio da criação de polos regionais que contemplem o Plano Nacional de Banda Larga. O texto pede a formulação e implementação de uma Política Nacional de Conteúdos Digitais integrando e estimulando as cadeias produtivas dos setores do audiovisual – Cinema e TV, Animação, Jogos Eletrônicos, Música e Virtualização.

Eixo V – Gestão e Institucionalidade da Cultura

Visa criar, fortalecer e articular uma rede de instituições públicas (universidades, museus de imagem e som, sistemas estaduais e municipais de fomento e instâncias de participação social, dentre outras), para atuar em parceria com os órgãos gestores da política nacional do audiovisual, mobilizando a sociedade e o Congresso Nacional para a aprovação da PEC 150/2003, do PL do Sistema Nacional de Cultura e do Plano Nacional de Cultura.

Para Beto Rodrigues, diretor da Panda Filmes, o objetivo é criar uma ação coordenada para evitar a concentração de produções audiovisuais a fim de induzir desenvolvimento das regiões para que todos os municípios tenham o poder de competição das grandes cidades.

Confira as propostas.

Eleições

Na parte da tarde, foi aprovada a lista dos dez delegados que farão parte da etapa nacional. São eles: Maria de Fátima Mendes Santos (MT), Carolina Ribeiro (DF), Duarte Ferreira de Sousa (CE), Cátia Patrícia de Oliveira (PE), Cláudio Lavor (RR), Francisco Weyl (PA), Jorge Luis Saes Moreno (MG), Gustavo Corga Acioli Lopes (RJ), César Cavalcanti (SC) e Luiz Alberto Cassol (RS). Participaram desta pré-conferência cerca de 160 delegados. A votação foi realizada pelos próprios delegados que escolheram dois por cada macrorregião brasileira.

Confira a lista de delegados e suplentes.

A eleição dos indicados para a lista tríplice do Conselho Nacional de Políticas Culturais (CNPC) também foi realizada nesta quinta-feira (dia 25). Mas o resultado só será divulgado na próxima segunda-feira, 1º de março, no site do Ministério da Cultura (www.cultura.gov.br) e no Blog da Pré-Conferência Setorial do Audiovisual.

Evento em Brasília contou com a presença do ministro da Cultura, dirigentes do MinC, delegados e observadores

Os trabalhos da Pré-conferência Setorial do Audiovisual foram abertos na manhã desta quarta-feira, 24 de fevereiro, pelo ministro da Cultura, Juca ferreira, no Hotel Nacional, em Brasília. Também compuseram a mesa o secretário do Audiovisual, Silvio Da-Rin; o presidente da Agência Nacional do Cinema, Manoel Rangel; o secretário-geral do Conselho Nacional de Políticas Culturais, Gustavo Vidigal; o coordenador da II Conferência Nacional de Cultura, João Ribeiro; o presidente do Conselho Nacional de Cinema, Rosemberg Cariri; e o coordenador da Pré-conferência Setorial do Audiovisual, James Görgen.

O ministro Juca Ferreira avaliou a Pré-conferência Setorial do Audiovisual como estratégica e de suma importância para o setor. Segundo ele, é uma forma de representantes se manifestarem com sugestões, que muitas vezes não chegam aos gabinetes do Ministério da Cultura. Considerou positivas as três mil reuniões que precederam a II Conferência Nacional de Cultura em vários municípios do país.

Lembrou dos números do último censo, que para ele são um escândalo para a Cultura do país. “Cerca de 80% dos recursos ainda são destinados a duas cidades brasileiras, sendo designado para 3% dos proponentes. Nem 13% dos brasileiros vão ao cinema, pelo menos uma vez ao mês”. E continuou: “o povo brasileiro é prisioneiro da TV aberta, o acesso aos outros canais não chegam a 20%”.

Reiterou que para construir uma sociedade justa é preciso investir em Educação e Cultura. O ministro Juca Ferreira lembrou da última reunião com o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, que, segundo ele, se mostrou interessado e favorável em investir no setor audiovisual. Ao final de seu discurso, assegurou a importância do 8º Congresso Brasileiro de Cinema a ser realizado este ano.

O secretário Silvio Da-Rin afirmou que a presença de todos no evento e as discussões nas etapas municipais, estaduais e livres são consequências de uma mobilização nacional do setor. “As mais de cem propostas já apresentadas nesse processo preparatório demonstram um amadurecimento da reflexão sobre o audiovisual. E esses próximos dois dias de discussão podem significar um avanço ainda maior na elaboração de uma agenda positiva, que será nossa grande contribuição à II Conferência Nacional de Cultura.”

Considerou que as discussões da Pré-conferência também vão significar um passo importante para a formulação de um Plano Setorial do Audiovisual, que representará a contribuição do audiovisual na formulação do primeiro Plano Nacional de Cultura. Lembrou das principais políticas do audiovisual, que são a criação de um sistema transparente de editais, a desconcentração das estruturas de produção do audiovisual no eixo Rio-São Paulo, a internacionalização da produção audiovisual, por meio dos programas de promoção à exportação – Cinema do Brasil e Brazilian TV Producers, a formação profissional por meio de oficinas de capacitação, a inclusão seja por meio de cotas para estreantes ou de editais voltados a estreantes, como também difusão e preservação de conteúdos audiovisuais.

Por sua vez, o presidente da Ancine/MinC afirmou que este é um momento de reflexão sobre a política pública do audiovisual, que tem como objetivo sinalizar para onde começar nos próximos períodos. “Não podemos nos dar como natural o falta da produção independente na TV privada”. Manoel Rangel falou, ainda, da iniciativa do Ministério da Cultura em iniciar as discussões sobre a Comunicação no Brasil e ter acendido o debate sobre a TV pública, o que rendeu frutos para a construção da TV Brasil, da Empresa Brasil de Comunicação.

Gustavo Vidigal sugeriu a criação do Colegiado Setorial do Audiovisual, segmento cultural que ainda não conta com seu colegiado, e afirmou ser um dia importante para os delegados presentes pensarem no que é relevante para o audiovisual brasileiro para os próximos dez anos.

Segundo James Görgen, a Pré-conferência Setorial do Audiovisual, assim como as 19 que acontecem até março, além de ouvir a sociedade, tem como objetivo debater e refletir o audiovisual e harmonizar com os demais segmentos culturais. Dentre as propostas apresentadas, cinco serão encaminhadas à II Conferência Nacional de Cultura e dez delegados serão escolhidos para a etapa nacional.

Participam da Pré-conferência Setorial do Audiovisual cerca de 80 delegados de 25 estados brasileiros para debater em torno de 160 propostas para apresentação na II Conferência Nacional de Cultura, a ser realizada de 11 a 14 de março, Brasília.

Também estão presentes mais de 150 observadores de diversos órgãos como a Casa Civil da Presidência da República, Agência Nacional do Cinema (Ancine), Empresa Brasil de Comunicação (EBC), Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), Conselho Superior de Cinema (CSC), Comitê Consultivo da SAv/MinC, Associação Brasileira das Emissoras Públicas, Educativas e Culturais (Abepec), Associação Brasileira de Cinematografia (ABC), Associação Profissional de Técnicos Cinematográficos (APTC), Associação Brasileira de Radiodifusão Comunitária (Abraço), Associação Brasileira de Preservação Audiovisual (ABPA), Federação Interestadual dos Trabalhadores em Radiodifusão e Televisão (Fitert) e Cineclubes, dentre outras organizações e instituições.

Depois da solenidade de abertura, ainda pela manhã, foi votado o regimento interno da Pré-conferência Setorial do Audiovisual. Na parte da tarde, iniciaram-se as palestras e os debates entre grupos de trabalhos e convidados, em torno dos cinco eixos temáticos: Produção Simbólica e Diversidade Cultural; Cultura, Cidade e Cidadania; Cultura e Desenvolvimento Sustentável; Cultura e Economia Criativa; e Gestão e Institucionalidade da Cultura.”

Nos 80 anos da Cinédia, a empresa, que é uma tradição cinematográfica brasileira, está restaurando filmes clássicos destruídos no final dos anos 90. Das 23 películas danificadas, 16 já estão em perfeito estado. É o resgate da história do cinema brasileiro.

Veja a reportagem clicando no cartaz abaixo: